29
05
19
Por

De Off-White na noite da primeira premiere a Burberry e Valentino para as paradas europeias, o guarda-roupa de Naomi Scott para a press tour de Aladdin tem sido um passeio de tapete mágico alimentado por grandes marcas. Com Dior, Armani Privé e Emilio Pucci usados no México e na Jordânia, o maior estava marcado para a estréia mundial em Los Angeles em 21 de maio. O que a princesa Jasmine usaria na noite anterior da estreia do clássico da Disney em todo o mundo e fez Scott se tornar um nome familiar?

Uma foto da jovem atriz indiana-britânica de Gujarati sentada em uma caixa gigantesca, apoiada por seu estilista, Zadrian Smith, significava que o vestido seria: a) enorme e b) showstopper (viu o sorriso iluminando o rosto de Smith?) Dentro do contêiner de papelão havia um vestido rosa Brandon Maxwell que a dupla sonhava desde fevereiro.

“Depois de analisar todos os desfiles recentes de ready-to-wear e alta costura, ficou óbvio que Brandon foi o estilista que poderia nos dar um vestido que sintetizasse a princesa moderna, mantendo a Disney feliz e Naomi se sentindo confiante”, Smith diz à Vogue. “Brandon tem a precisão e o olhar de um estilista [ele era o principal colaborador de moda de Lady Gaga antes de se expandir para desenvolver sua marca epônima]. Ele pensa em como um vestido vai ficar nas fotos e como uma mulher pode posar quando ele desenha.”

A confecção de sacarina foi projetada para imitar a antiga Hollywood, mas com um “pouco de glamour e um elemento artístico para galvanizá-la”. A tradicional silhueta de baile foi complementada por um bolero de um tecido do Maxwell, que teve a ideia de cobrir a pele de Scott – um tema que Smith e Scott tiveram que explorar de perto devido às nações árabes que viajaram durante a turnê.

“Eu me aproximei do guarda-roupa da Naomi como um ensaio de revista com Aladdin como tema”, diz Smith, que começou sua carreira ajudando a Fran Burns na Vogue. “Eu olhei para a história dos contos de fadas árabes, da realeza do Oriente Médio e do mapa cultural que os liga a Aladdin.” Três dos seis looks do tapete vermelho foram feitos sob encomenda para alcançar a missão de Smith de levar essa herança e torná-la relevante para hoje. Os looks da passarela, no entanto, foram não menos “exaustivamente pensada”.

O vestido Off-White era particularmente “desafiador” porque a fiação na saia tornava a viagem tão difícil para Paris, que a equipe de Smith precisou refazê-lo com estruturas internas maleáveis. “Valeu 100%, porque deu uma reviravolta moderna para vestir uma princesa”, diz ele. O vestido Valentino para a estreia em Berlim foi decidido imediatamente após o desfile de outono/inverno de 2019, já que era o visual favorito de Scott e Smith. Scott, no entanto, insistiu em experimentar todas as outras opções do Valentino antes de voltar ao original.

O compromisso de Scott com a turnê mundial é emblemático de sua ética de trabalho. Ao escolher a estrela em ascensão para cobrir a edição de abril da Vogue, Edward Enninful disse: “Estou animado para ver como ela vai energizar toda uma geração de garotas e jovens britânicas, que vão olhar para sua história, sua religião [ela é uma cristã comprometida e casada aos 21 anos], seu estilo e ética de trabalho, e ver um tipo diferente de ingênua do tipo que Hollywood costumava se apaixonar”.

A sinopse de Smith sobre a relação de trabalho dos dois não é menos sedutora. “Ela é a cliente do sonho”, diz ele. “Quando comecei a trabalhar com Naomi, ela não sabia o que era um corte de viés de um enfeite. Agora, ela quer saber de todos os detalhes para fazer a moda funcionar para ela sem mudar quem ela é.”

O lançamento de As Panteras, no qual ela estrela ao lado de Ella Balinska e Kristen Stewart, está chegando e, sem dúvida, Smith e Scott vão embarcar no mesmo processo meticuloso de meses para o planejamento dos looks. “Trazemos o nosso A-game em todos os tapetes vermelhos, porque é uma oportunidade única na vida”, continua ele.


Fonte: VOGUE UK
Tradução & Adaptação: Equipe Naomi Scott Brasil