19
03
21
Por

A Vogue Britânica em parceria com o YouTube, deram início a uma nova série de masterclasses, a Vogue Visionaries, onde especialistas do mundo da moda, beleza, música e muito mais, compartilham suas palavras de sabedoria e conselhos sobre como ter sucesso em seu campo escolhido. Dividido em cinco capítulos, Naomi Scott aborda seus primeiros passos na indústria, como se dar bem em uma audição, seus papéis determinantes, como lidar com as críticas e os conselhos que ela daria ao seu ‘eu’ mais jovem.

Para quem quer começar a atuar, a aula de Naomi Scott é cheia de anedotas perspicazes e dicas valiosas para aspirantes a artistas. De seus dias cantando no coro da igreja até sua primeira audição (para um comercial de seguro holandês), Scott revela como ser notada, as habilidades necessárias para uma self-tape de sucesso e como lidar com a síndrome do impostor.

O Naomi Scott Brasil decidiu transcrever cada capítulo e fazer da aula da Naomi para o Vogue Visionaries um especial.

CAPÍTULO CINCO – NOTAS PARA O MEU ‘EU’ MAIS JOVEM

Notas para o meu ‘eu’ mais jovem seriam… primeiro: defina o que o sucesso é para você. Lembre-se disso, o máximo que puder, para que cada passo que você tome, cada escolha que você faça, te aproxime do que é esse objetivo. E então, ligado a isso, o sucesso não é o que você faz, mas sim quem você é. E isso é algo que é muito importante. Faz de você uma artista melhor, para enxergar como algo mais holístico, ao contrário de ser só sobre o que você pode conseguir disso ou quanto dinheiro você vai receber ou qualquer outra coisa. Não que essas coisas sejam ruins. Sempre seja curiosa e continue aprendendo. Não fuja das coisas nas quais você não é boa. Vá para elas. E tudo o que você está construindo ou tudo o que está fazendo, tudo no que você está trabalhando é para ser compartilhado. E quando você muda essa perspectiva, eu acho que transforma tudo, todas as escolhas que você faz.

Eu sou a Naomi Scott. Esse foi o ‘Vogue Visionários’. Espero que tenham aproveitado, espero que tenha ajudado de alguma forma.


Fonte: Vogue Britânica
Tradução & Adaptação: Equipe Naomi Scott Brasil


18
03
21
Por

A Vogue Britânica em parceria com o YouTube, deram início a uma nova série de masterclasses, a Vogue Visionaries, onde especialistas do mundo da moda, beleza, música e muito mais, compartilham suas palavras de sabedoria e conselhos sobre como ter sucesso em seu campo escolhido. Dividido em cinco capítulos, Naomi Scott aborda seus primeiros passos na indústria, como se dar bem em uma audição, seus papéis determinantes, como lidar com as críticas e os conselhos que ela daria ao seu ‘eu’ mais jovem.

Para quem quer começar a atuar, a aula de Naomi Scott é cheia de anedotas perspicazes e dicas valiosas para aspirantes a artistas. De seus dias cantando no coro da igreja até sua primeira audição (para um comercial de seguro holandês), Scott revela como ser notada, as habilidades necessárias para uma self-tape de sucesso e como lidar com a síndrome do impostor.

O Naomi Scott Brasil decidiu transcrever cada capítulo e fazer da aula da Naomi para o Vogue Visionaries um especial.

CAPÍTULO QUATRO – LIDANDO COM CRÍTICAS E ENCONTRANDO APOIO

É como uma pergunta de um milhão de dólares, “qual a sua relação com as redes sociais?”. No momento eu sinto que têm me perguntado muito isso. E existem algumas regras que eu gosto de tentar seguir. Bem simples. Uma é: sem celular no quarto. Não olhar o telefone como a primeira coisa do dia, então tentar fazer outras coisas como yoga ou meditação… isso me faz soar como uma pessoa tão equilibrada. A outra coisa é tentar não ler os comentários. Sabe, um por um, especialmente quando você está nos olhos do público. Não procurar o que as pessoas estão dizendo sobre você. E eu digo isso porque é muito difícil não fazer isso às vezes. E se eu for realmente sincera, eu já fiz isso. Eu fiz isso porque eu queria ver o que as pessoas estavam falando sobre mim, mas na verdade isso vem de você querer que seu próprio ego seja inflado. Você quer ver se as pessoas estão falando coisas legais sobre você e validando a sua beleza ou seu sucesso ou seja lá o que. E o real problema disso é que não é real, entende? Não é… existe um enorme intervalo, essas pessoas não sabem de verdade quem você é e mesmo assim você está dando tanta voz para eles e tanto palco e só está ferindo você.

Quanto mais tempo passamos nisso, e isso sou eu falando pra mim mesma, quanto mais tempo eu passo fazendo isso, menos tempo eu tenho para criar e construir aquilo que eu realmente quero construir ou caminhar na direção dos objetivos, ir na direção daquilo que eu quero ser, e eu acho que é irônico que possamos passar tanto tempo nos comparando com alguém nas redes sociais e ficamos ‘ah, é isso que eu quero ser’, e tudo o que isso está fazendo é arrancar o tempo que poderia ser usado para você virar a pessoa que você verdadeiramente quer ser. Particularmente, como eu silencio meu criticismo no momento… perspectiva, né. Eu acho que às vezes existem momentos, momentos de silêncio e solidão e eu não quero dizer como “desculpa, eu tenho que sair por uma hora e ter um pouco de silêncio e solidão” eu só quero dizer: dar a si mesmo cinco minutos, se você tiver um tempinho vá para o banheiro. Respirar fundo e pensar em algo que esteja fora de onde você está agora. É pra ser como “tá bom, eu posso ser melhor nisso, mas tudo bem, porque é a segunda vez que eu faço um filme, meu segundo filme, é claro que eu não era tão boa.” Sabe, “Foi a segunda vez que eu interpretei um papel desse jeito e aqui está o que eu aprendi com ele”. Seja lá o que for, você vai se sentir mais preenchido quando você se permite aprender sem ser tão rigoroso consigo mesmo.

É tão importante com quem você se cerca porque você meio que vira as pessoas que estão ao seu redor, né, e pessoas que tenham seus melhores interesses de coração serão muito honestas com você. Talvez elas não venham diretamente atrás de você, você sai da cena e alguém “ah esse não foi o seu melhor trabalho” mas alguém que possa ser sincero com você, e também ser sincero quando você está fazendo ser sobre você. Quando, você sabe, você está falando como se o mundo girasse ao seu redor “eu não fui bem, ah, eu não…” e você mergulha nesse tom e vai afundando nesse buraco. Alguém que faça você se tocar, tipo “ei, você nem era a parte importante dessa obra, então nem se preocupe” sabe, alguém que te dê perspectiva.

Sendo uma atriz, parte disso é lidar com a rejeição. É difícil. Mas eu acho que com o passar dos anos eu entendi mais e mais que não é pessoal. Eu entendi isso melhor quando eu experienciei o por trás das câmeras, enquanto falávamos sobre coisas de elenco agora, sobre produção, e entender que nunca é uma questão de “essa pessoa é talentosa e essa não”. São tantos outros fatores levados em consideração ao se fazer um filme ou uma série ou algum material que não têm nada a ver com você. É sobre como você se encaixa no meio dessas peças montáveis. Então seja por eles já terem escolhido outro titular ou algo assim e, você sabe, eles precisam que alguém complemente essa pessoa, então eles precisam de alguém com uma energia muito específica, talvez eles precisem de alguém… quer dizer, às vezes tem a ver sobre a sua altura. São tantas variáveis que interferem, mas isso raramente é sobre suas habilidades. Só tem a ver com, você sabe, você não necessariamente se encaixa naquela versão de contar aquela história e eu não consigo enfatizar o suficiente sobre não ser pessoal.

Agora, eu acho que agora mais do que nunca, eu me alegro com tudo aquilo que eu não consegui. Foram experiências de tantos aprendizados e crescimento para mim que eu olho para trás e penso “minha nossa, que bom que eu passei por isso porque eu aprendi tanto sobre mim” ou eu aprendi a me desapegar de algumas coisas, e sim, eu acho que também molda quem você é como um ator, todas essas coisas. Então nunca… eu sei que é difícil na hora mas nunca negue quão importante essas experiências são para o crescimento, no sentido da rejeição. Mas agora eu também vejo toda oportunidade de audição é uma prática. Conseguindo ou não. É como “legal! Eu posso brincar com uma cena, ter outro alvo”, especialmente se você está entre empregos e você não tem trabalhado há um tempo. É só prática, só está te fazendo melhor. Então veja os testes assim também.


Fonte: Vogue Britânica
Tradução & Adaptação: Equipe Naomi Scott Brasil


17
03
21
Por

A Vogue Britânica em parceria com o YouTube, deram início a uma nova série de masterclasses, a Vogue Visionaries, onde especialistas do mundo da moda, beleza, música e muito mais, compartilham suas palavras de sabedoria e conselhos sobre como ter sucesso em seu campo escolhido. Dividido em cinco capítulos, Naomi Scott aborda seus primeiros passos na indústria, como se dar bem em uma audição, seus papéis determinantes, como lidar com as críticas e os conselhos que ela daria ao seu ‘eu’ mais jovem.

Para quem quer começar a atuar, a aula de Naomi Scott é cheia de anedotas perspicazes e dicas valiosas para aspirantes a artistas. De seus dias cantando no coro da igreja até sua primeira audição (para um comercial de seguro holandês), Scott revela como ser notada, as habilidades necessárias para uma self-tape de sucesso e como lidar com a síndrome do impostor.

O Naomi Scott Brasil decidiu transcrever cada capítulo e fazer da aula da Naomi para o Vogue Visionaries um especial.

CAPÍTULO TRÊS – PAPÉIS DETERMINANTES

Tinha um vídeo meu no YouTube cantando no musical da minha escola. Nós fizemos o Sister Act 2. Eu amo esse filme. E eu interpretei o papel da Lauryn Hill. Rita, eu acho que Rita era o nome dela. Então tinha um vídeo em que eu cantava ‘Joyful Joyful Lord’ e a partir disso o meu agente estadunidense, bem, ele não era o meu agente na época mas ele trombou com esse vídeo e ele tinha um roteiro desse filme do Disney Channel, Lemonade Mouth, e pensou “oh, ela consegue cantar, e tem um papel aqui que encaixa com as descrições dela” e aí ele procurou meu agente e eu lembro que eu fiz uma audição por Skype com todos os executivos da Disney. Tá vendo? Ou é Skype, ou Self-Tape… e eu lembro que foi… você sabe, eu assisti Operação Cupido tantas vezes, com a Lindsay Lohan, e esse é o verdadeiro motivo para eu conseguir fazer um sotaque americano. Eu só estava copiando, porque eu queria tanto ser a Hallie. Tanto que eu cortei meu cabelo, as pessoas que conhecem Operação Cupido vão saber disso, tipo eu cortei meu cabelo onde ela tinha aquela franjinha. Enfim, fugindo do assunto. Então sim, eu fiz a audição por Skype e consegui o papel e… e eu lembro, eu era tão inexperiente. Eu não sabia o que era uma marcação, eu não sabia estar ciente sobre onde a câmera estava, bloqueando alguém. Eu era tão tão tão inexperiente. Mas eu basicamente aprendi no trabalho e a diretora, depois, eu lembro, ela falou pra mim, ela estava tipo “é a primeira semana” ela disse “ah não, o que eu fiz!? Eu contratei essa garota que não sabe o que está fazendo”, ela disse “mas você aprendeu tão rápido” e ficou tudo bem no final.

Têm muitas pessoas na minha jornada que eu posso apontar no sentido de que lutaram por mim. Engraçado, eu consigo pensar em muitas mulheres, algumas boas diretoras de elenco que se sobressaem na minha mente, a Nina Gold é alguém que sempre lutou por mim e eu a amo. Teve uma executiva da Disney, o nome dela é Erin Westerman, ela é uma boa amiga minha agora mas ela foi uma das primeiras reuniões gerais que eu tive em L.A. e nós nos demos muito bem e eu lembro que tinha um papel que eu estava tentando e eles disseram “ah, você sabe, ela não é a certa para esse”, eles realmente não queriam me ver tentar, e ela ficou “não!” ela disse “Eu preciso que eles vejam a Naomi” e ela meio que me colocou na frente do diretor e do roteirista. Eu não ganhei o papel, mas eu consegui o teste gravado para o papel, o que então informou muito do que estava por vir.

Na audição para o papel da Princesa Jasmine em ‘Aladdin’, você sabe, obviamente eu sabia que tinham milhares e milhares de outras pessoas fazendo o teste também mas, sinceramente, eu não foquei nisso. Você não pode focar nisso. Você só tem que focar em seja lá qual a versão que você… eu tinha uma visão muito clara da versão que eu queria para a Princesa Jasmine que eu gostaria de ver, e segui com isso. Eu também estava confortável sobre pensar “ok, essa é a minha versão. Se não é isso que eles estão procurando, então tudo bem.” Eu não queria me curvar para algo que eu não sentisse que fosse certo para essa personagem ou ao menos para o que eu gostaria de ver nessa personagem, especialmente sendo alguém que amou a personagem ao crescer. E na verdade isso determinou… isso me ajudou a ser consistente com a decisão que eu tinha feito e que eu não iria hesitar com ela. Claro que eu conhecia a história, mas eu não necessariamente sabia o que eles estavam buscando. Mas para mim, as cenas que eu recebi, eu pensei “eu quero que ela seja… que ela tenha confiança sobre si mesma. E qualquer tipo de comentário brincalhão ou espirituoso que ela faça, eu quero garantir que venha com o senso de controle, ao contrário dela ser má ou só ‘eu sou mais inteligente que você’, sabe? e isso foi importante para mim. Eu quis que ela parecesse madura, e eu sei, eu acho que ela é bem jovem, né, mas eu não queria que… apesar de que certamente existe uma ingenuidade ali, no aspecto da jornada que ela tem. Eu queria que ela fosse de alguma forma madura, especialmente se ela quer ser uma líder, é como que “bom, você tem que mostrar que você pode ser uma líder.” E eu tinha sempre isso em mente. Mas de novo, quando você está em audição, você não… você captura algumas coisas mas você não pode… você não sabe o contexto de tudo então você não pode pensar nisso em excesso, você só tem que tomar uma decisão e ir com ela e foi o que eu fiz.

Eu acho que com o passar dos anos eu tenho aprendido como e quando ser assertiva. E isso é algo que leva tempo, então eu também senti que você não pode ser duro consigo mesmo. Se você teve experiências em que “ah, eu queria ter dito isso, eu queria ter dito aquilo”, todos nós fazemos isso, todos nós olhamos para trás mas isso faz parte do crescimento. Eu acho que a coisa mais importante é entender o que você precisa para a sua atuação e para o seu trabalho. Outra vez: isso leva tempo, isso exige saber o que não funciona e talvez tendo uma má experiência. Mas tudo o que temos é o poder de dizer ‘não’. Todos ao seu redor, seus representantes, eles terão alguma ideia de onde eles veem a sua carreira indo ou o qual tipo de ator ou qual tipo de artista que eles enxergam em você. E eles vão criar isso nas próprias cabeças ainda mais se você não for claro sobre quem você quer ser. Então você precisa ser claro e vocal sobre como você se vê. E isso só ajuda as pessoas ao seu redor, e sua equipe, a colaborar para transformar isso em realidade. Eu acho que, similarmente, quando você está em situações no set, e isso é muito difícil e se você está, você sabe, todos nós já nos sentimos desconfortáveis ou não tem certeza sobre algo e se você se posicionar você meio que sente um “você está sendo um pouco difícil” e eu diria que nunca vai ser tão ruim quanto você pensa. Você precisa escutar esse instinto e se posicionar caso você não se sinta confortável.

Seja qual for o retorno ruim eu garanto que é falso, e são só eles no momento, talvez alguém tentando tirar algo de você porque eles acham que precisam, mas você se surpreenderia, as pessoas também seguirão se você definir o tom. Só se lembre que todo mundo teve o tempo de fazer o trabalho deles, seja lá o que está acontecendo, eles tiveram o tempo de posicionar aquilo. Agora é você na câmera, ou você interpretando, agora é a sua hora. Então você precisa se garantir que está se protegendo e fazendo tudo o que é necessário para fazer o seu trabalho. Minha nossa, eu lembro de receber aquela ligação. Eu estava em Berlim e recebemos a confirmação para a capa da Vogue Britânica, o que é incompreensível, porque em primeiro lugar eu estava “calma, o Edward sabe quem eu sou?” Foi a primeira coisa que eu… tipo “quê!?” Então aqui estava eu, no set, para a minha capa da Vogue Britânica, loucura, com o lendário Nick Knight na câmera. É um tipo de atuação, eu diria, porque você está pensando sobre diferentes emoções que você quer retratar.


Fonte: Vogue Britânica
Tradução & Adaptação: Equipe Naomi Scott Brasil


16
03
21
Por

A Vogue Britânica em parceria com o YouTube, deram início a uma nova série de masterclasses, a Vogue Visionaries, onde especialistas do mundo da moda, beleza, música e muito mais, compartilham suas palavras de sabedoria e conselhos sobre como ter sucesso em seu campo escolhido. Dividido em cinco capítulos, Naomi Scott aborda seus primeiros passos na indústria, como se dar bem em uma audição, seus papéis determinantes, como lidar com as críticas e os conselhos que ela daria ao seu ‘eu’ mais jovem.

Para quem quer começar a atuar, a aula de Naomi Scott é cheia de anedotas perspicazes e dicas valiosas para aspirantes a artistas. De seus dias cantando no coro da igreja até sua primeira audição (para um comercial de seguro holandês), Scott revela como ser notada, as habilidades necessárias para uma self-tape de sucesso e como lidar com a síndrome do impostor.

O Naomi Scott Brasil decidiu transcrever cada capítulo e fazer da aula da Naomi para o Vogue Visionaries um especial.

CAPÍTULO DOIS – PASSANDO EM UMA AUDIÇÃO

Então, eu lembro que minha primeira audição foi para algum tipo de companhia de seguros holandesa, existe algo em algum lugar em que eu estou com uma mochila, indo pra escola. A ideia da Síndrome do Impostor, que eu acho que todo mundo enfrenta, era algo que não mostrou as caras tão cedo e eu acho que tinha uma parte de mim, quando eu era muito nova, eu não tinha tempo para pensar demais nas coisas. Até que o tempo passa e você fica “oh a mesma garota estava na audição todas as vezes, minha nossa” “eu não fiz direito, eu não consegui aquele papel, por que eu não consegui?” e você começa a pensar excessivamente sobre as coisas e aí você fica “estão todos dizendo que vieram dessa escola de teatro” e eu fico “eu nunca fui a uma escola de teatro!” então você começa a ter todos esses pensamentos mas quando eu era mais jovem eu só entrava e “ah sim, é pra dizer algumas falas” como se… eu estava nervosa, mas eu não estava pensando muito sobre isso. E eu acho que existe certa beleza nisso, quando você faz uma audição confiando nos seus instintos, né? Eu acredito que pra mim sempre foi sobre tomar uma decisão e seguir com ela. Por que muitas das vezes, em audições, você não recebe todo o contexto do que está acontecendo, certo? Você pode receber só uma cena, você pode receber a cena só no dia, e você não sabe o que isso significa em relação ao filme inteiro, à obra inteira.

Então eu acho que aceitar e tomar uma decisão, mesmo que seja errada, talvez eles te dirijam para uma abordagem diferente mas isso normalmente é algo bom, você sabe, se eles estão te dirigindo e dizem “você pode tentar assim”, isso normalmente significa “okay, isso é ótimo, nós gostamos da decisão que você tomou mas nós queremos ver de um jeito diferente.” E ser aberto para trabalhar no lugar, enxergando aquilo como um mini workshop, e não ficar rígido quando eles te pedirem para fazer algo a mais, mas entendendo que eles não esperam que você seja perfeito, se você errar uma fala, confie em mim, eles não vão se preocupar. Então essas são coisas que eu tento me lembrar. Mas é sempre, você está sempre nervoso, o que é uma coisa boa pois significa que você se importa, mas, é, o nervosismo não vai embora nunca, desculpa.

Aceite o fato de que você vai ter uma audição terrível e que a lembrança dela vai te dar vergonha, mas vai ser uma boa história para depois do jantar. Se prepare. Só se prepare, porque… é. Deixe ir. O que está feito, está feito. Você não pode voltar e está tudo bem, você terá muitas outras. Não use muita maquiagem. Não seja duro consigo mesmo. Eu fiz audições para muitos projetos estadunidenses e por isso eu fiz muitas Self-Tapes. E na verdade eu consegui a maioria dos meus papéis com Self-Tape. Talvez eu só não seja tão boa pessoalmente. Mas fazer uma Self-Tape é uma habilidade, na verdade, e com o passar dos anos eu acho que lapidei essa habilidade. Você nem sempre vai poder encontrar um leitor, um ator para trabalhar com ele. Meu marido vai admitir, ele é terrível. Tipo, sinceramente, a voz monótona, ele não me entrega nada em retorno, e eu lembro que uma vez eu só fiquei “você sabe, isso aqui não está funcionando, eu tenho que encontrar um jeito diferente” porque eu sei o que eu quero dos outros papéis, então eu fiquei “tá bom, deixa eu gravar os outros papéis e só deixar espaços.” Então o que eu faço, eu uso o Logitech, você pode usar o GarageBand se você tiver o GarageBand e você pode só se gravar fazendo as outras falas e aí você pode editar isso e cortar para que você tenha espaço para o personagem que você está interpretando.

E desse jeito você também aprende as falas muito bem, e você pode… você pode entregar a performance que você quer do outro lado, se isso faz sentido. E eu acho isso fácil pois significa que eu não tenho que esperar para que alguém esteja disponível para ler comigo. É, só posiciono a câmera, eu tenho uma dessas câmeras que viram a tela, e eu aperto a barra de espaço e gravo e lá vou eu.

Isso funcionou para mim, quer dizer, para ressaltar: eu lembro que eu fiz a audição para Power Rangers com Self-Tape, eu literalmente fiz os cinco outros personagens em cena, entretanto eu nem consigo lembrar minhas vozes dos Power Rangers. Tudo o que eu lembro é que, minha nossa, tinha uma que era muito grave e eu ficava “Ei, você tem que pegar! O mundo está acabando!” algo assim e aí eu ia para uma super aguda, em que eu fazia algo meio Valley Girl. Eram todos os sotaques americanos diferentes que eu sabia, que eu conseguia pensar. Mas funcionou. Eles me contrataram. E sinceramente, alguns anos depois eu estava conversando com um dos produtores e eu falei “ah você sabe, porque todas as vozes eram minhas” e ele ficou “Quê?” e eu fiquei “é”, todas as vozes diferentes, ele não fazia ideia. Ele disse “eu achei que você tinha conseguido várias pessoas no quarto”. Isso funciona pra mim, e eu acho… exige um pouco de prática mas significa que você meio que pode controlar um pouco mais, o que… o que, você sabe, é legal ter a espontaneidade de um ser humano, é claro, mas isso não é sempre possível então esse é um meio que eu consigo resolver as Self-Tapes.

Normalmente com as Self-Tapes eu só garanto que eu tenha um fundo plano, basicamente: a menor quantidade de distrações, melhor. Novamente, você não pode… nunca vai ser perfeito, e está tudo bem. Eles não estão procurando que você faça perfeitamente e que seja essa perfeição toda, é só, você sabe, eles querem pegar a essência da sua performance, sabe? Então, é, eu normalmente faço com um fundo plano. Dependendo do que é, ter meu cabelo para trás para que eles possam ver meu rosto. Se forem duas cenas diferentes, eu posso fazer uma mais fechada, posso fazer outra num plano médio, só para mudar um pouco. Eu acho que sempre tem um helicóptero ou algo acontecendo no meio da minha melhor gravação. Sempre irritante. Mas é, só lide com isso.


Fonte: Vogue Britânica
Tradução & Adaptação: Equipe Naomi Scott Brasil