11
05
19
Por

A atriz e cantora britânica, Naomi Scott, está prestes a chegar nas nossas telas como Princesa Jasmine no remake em Live Action de Aladdin da Disney. Uma apaixonada apoiadora da Compassion por mais de sete anos, nós nos encontramos com Naomi para escutar, em suas próprias palavras, o porquê de sua determinação para defender a voz de garotas ao redor do mundo.

Naomi, você recentemente viajou para Ruanda para ver os projetos da Compassion Child Survival como parte do seu recurso da Different Path. Agora que está de volta ao lar, poderia compartilhar algumas reflexões da sua viagem com a gente?

Ruanda é um país incrível. As comunidades que eu visitei como parte do recurso Different Path eram surpreendentes e as pessoas que conheci eram tão resilientes. Eu vi por mim mesma como as pessoas se juntaram. Esse era o tema entre as linhas da viagem – a linguagem universal de mulheres se juntando, se ajudando e se empoderando.

Mães são a fonte da vida, então eu vi como começar a educar as mulheres e ajudar as mulheres nesse estágio da vida tem um efeito tão positivo em muitos aspectos diferentes incluindo pobreza e crescimento econômico.

Para mim, eu amo que num contexto de um projeto da Compassion, que é sempre conectado a uma igreja local e enraizado numa comunidade, as gestantes recebem a instrução e ajuda para garantir uma vida mais saudável para a sua família. Isso tem um incrível impacto nas gerações futuras.

Você também visitou a Etiópia com amigos da igreja de seus pais em Essex. Poderia nos contar um pouco sobre ver nosso Programa de Apadrinhamento de Crianças em ação e conhecer uma das suas três crianças afilhadas?

Quando eu visitei o projeto Compassion eu vi que dar esperança às crianças é o coração e a cultura da Compassion.

Eu lembro que fomos à sede e vimos como as cartas dos padrinhos são classificadas. Nós aprendemos muito sobre como as crianças são incrivelmente protegidas através do programa de apadrinhamento. Conhecemos um cara chamado Tsehaywota que é o Diretor Nacional da Compassion na Etiópia. Ele é um homem extraordinariamente humilde. Fui atingida por todos os funcionários serem tão receptivos, tão alegres e entusiasmados com o que estão fazendo. O amor pelas crianças realmente corre por toda a organização.

Eu vi o impacto que a Compassion tem na vida de uma criança. Que quando você apadrinha uma criança, você providencia cuidados médicos, cuida de seu bem-estar emocional e social e garante a chance para uma boa educação. É muito holístico o que é algo que eu realmente amo. Por fim, está mostrando o amor de Deus e mostrando a graça de Deus.

Nós amamos sua paixão por empoderar mulheres e garotas pelo globo. Por que você acha queria importante para as meninas que tenham fortes papéis como modelos?

Para mim, é tudo sobre insinuar valor e esperança. Eu acho que quando nos sentimos valorizados nós começamos a sonhar, é onde começa. É tão importante trazer jovens moças ao entendimento de que elas têm uma voz, elas têm algo a oferecer.

As mulheres que eu conheci em Ruanda, mulheres como Ernestine e Eugenia, eram tão inspiradores! Elas pegavam nada e transformavam em algo.

Com os projetos Child Survival, eu vi o impacto quando as mulheres começam ousando pensar, ousando sonhar.
Quando elas se juntaram você podia ver que elas se sentiram amadas. Você podia ver que a Compassion está ajudando as mulheres a entender que elas têm mais a oferecer, engrandecendo-as e dando a elas mais oportunidades.

Estamos tão ansiosos para o seu papel como Jasmine no novo filme da Disney em Live Action de Aladdin. Poderia nos contar um pouco sobre o papel?

Eu sempre tentei ser muito pensativa sobre os papéis que consegui.

Quando a oportunidade apareceu para o remake de Aladdin, eu estava muito consciente de que a Jasmine era a minha princesa da infância. Então sim, eu quis conectar-me a ela nesse nível, nas eu também queria levar o papel além.

É 2019 e eu amo o que a Disney está fazendo com as suas heroínas. Consigo me lembrar de sentar com um dos produtores e perguntar sobre a visão deles para a personagem e realmente pareceu que estavam os na mesma página.

Nós falamos essas palavras como ‘forte’ – que é uma palavra recorrente no momento – nós queríamos ‘mulheres fortes’. Mas para mim, é também sobre contar a história de uma mulher. Ter uma narrativa feminina, qualquer que seja ela.

Eu amo que o que nós imaginamos para a Jasmine foi sim, todas essas coisas que amamos sobre a versão animada do filme. Mas também, que queríamos retratar que ela está verdadeiramente lutando pela escolha, libertação e liberdade de seu povo. [O diretor] Guy Ritchie foi campeão nisso. A Jasmine quer conduzir seu povo! Ela pode ver que o Jafar é um velhote desonesto! Seu objetivo no início do filme é ‘como eu posso me conectar às pessoas de forma que eu posso liderá-las?’

No filme do Aladdin nós temos essa incrível música nova chamada ‘Speechless’. A essência música é sobre encontrar a sua voz. Que coisa atual! Existem tantas pessoas no nosso mundo que foram silenciadas, caladas, negligenciadas. Eu sei que é uma música em um filme da Disney – e os problemas que nós vemos e os problemas que a Compassion lida são duas coisas diferentes – de qualquer forma, para mim, elas continuam conectadas num caminho. Eu sou tão apaixonada por dar uma voz às pessoas.

Aladdin é uma história muito amada – foi divertido de fazer? Poderia nos contar sobre alguma história engraçada que você tem no tempo em que estava gravando o live action de Aladdin com o elenco?

Isso pode soar uma coisa boba, mas no trailer de Aladdin eu desço uma íngreme escadaria e eu estou com esse figirino louco, eu estava calçando salto alto e eu tinha um vestido com uma cauda de 10 pés! Então estavam os gravando eu descendo as escadas e as portas se abriram e o time disse ‘Nay, você acha que conseguiria não olhar para baixo?’. E quer saber? Esse foi um daqueles momentos em que você se sente brincando, ‘oo claro, por que você não tenta botar esse vestido, calçar esses sapatos e descer as escadas olhando pra frente!’.

Mas eu sou uma pessoa muito competitiva e eu disse, tudo bem, eu tenho que fazer isso! Eu fiz e fiquei super orgulhosa. Eu desci as escadas sem olhar para os meus pés nenhuma vez! Que com todas as acrobacias que o Mena Massoud [Aladdin] fez, todas as coisas que o Will Smith [Gênio] fez, eu garanto a você que nenhum dos dois teria capacidade de fazer isso!

Você também está estrelando em As Panteras que chega aos cinemas no final do outono. Como foi trabalhar com a diretora Elizabeth Banks e a equipe?

Ter Elizabeth Banks no leme de As Panteras foi incrível. Que esperta, incrivelmente talentosa e multi-facetada mulher. Por ela ser uma atriz, ela quis que nós fizéssemos as nossas próprias escolhas. O que era um pouco assustador às vezes mas foi brilhante!

Ela foi fantástica. Mesmo coisas tão pequenas como o fato de Kristen Stewart, Ella Balinska [as outras Panteras] e eu termos alturas tão diferentes! Teve também uma pressão para que o elenco fosse igual então foi tão revigorante quando Elizabeth disse, ‘eu não ligo que vocês têm diferentes alturas, vocês são pessoas diferentes’.

Você tem algum outro papel favorito para encontrar? Você teve uma carreira tão variada de Lemonade Mouth para Terra Nova e depois indo interpretar a Power Ranger rosa, Kimberly. Como foi fazer parte dos Power Rangers?

Meu papel em Power Rangers foi realmente interessante para mim porque foi incrivelmente físico. E novamente os figurinos foram um desafio! Eu e a minha parceira Ranger Becky Gomes literalmente nos sentimos como os Teletubbies naquelas roupas! Não era só látex, tinha o peso das camadas então parecia mesmo uma armadura. Você não conseguia nem andar então nós tínhamos que gingar!

Poderia compartilhar um pouco sobre como a sua fé Cristã moldou você e a sua carreira? Por que Isso é tão importante para você e seu marido Jordan Spence?

Meu esposo e eu estávamos na verdade falando sobre isso ontem. Algumas vezes nos perguntam, ‘Como vocês equilibram sua fé com o que vocês fazem?’ Mas para mim, eu não sei como eu viveria sem minha fé.

Aquela paz que você sabe que você é amado e valorizado é algo que me mantém incrivelmente fundamentada, incrivelmente focada. Honestamente, eu não vejo isso como algo separado, isso adiciona. Minha fé é só uma parte do que eu sou e do que eu faço.

A vida é incrivelmente empolgante no momento, tem muita coisa acontecendo. Nós só pensamos uau. Graça de Deus. Mas não importa o que aconteça, não importa o que alguém diz sobre mim no Twitter, seja o que for que o futuro guarda, saber que isso não me define é incrível. Saber que isso não expressa a minha identidade em nenhum tom ou forma (apesar de ser mais fácil falar do que fazer). Isso vai ser a coisa que me mantém indo. Mantendo o principal, o principal de tudo.

Muitas pessoas te conhecem como Naomi Scott a atriz, mas você também é uma incrível e talentosa musicista. Conte-nos sobre sua música e o que alimenta a sua criatividade?

A música sempre foi o meu primeiro amor. É parte de quem eu sou. Então aconteceu de que tinham outras coisas criativas e canais e a atuação veio como a vanguarda de hora em hora. Mas em termos de todos os diferentes aspectos de mim, eu os vejo como um. Eu sou uma artista e eu amo criar coisas.

Estou muito ansiosa por conseguir uma música nova saindo esse ano. Mesmo na indústria musical têm certas armadilhas que você pode cair em termos de ter que fazer algo de uma certa maneira, buscando as correntes, buscando as visualizações. Você sabe, quando Jordan e eu discutimos coisas como essa nós dizemos, ‘vamos simplesmente fazer o trabalho que amamos.’

Nós frequentemente tentamos conhecer nossos apoiadores em 1 minuto! Poderia nos contar o que você esteve recentemente…

Lendo? Eu acabei de ler esse livro chamado ‘Just Mercy’ do Bryan Stevenson. É uma incrível, incrível história. Você deveria ler!

Assistindo? Eu sou sempre muito inspirada por filmes como A Ilha dos Cachorros, Grand Budapest Hotel e Moonrise Kingdom do Wes Anderson.

Escutando? Estou obcecada em Koffee, o novo álbum da Ariana Grande, Solange.

Vestindo? Eu tenho essa jaqueta que eu absolutamente vesti demais! É uma jaqueta bomber e é a minha coisa favorita do mundo. Jordan comprou para mim de aniversário.

Grata por? Eu tenho a melhor equipe e a melhor família ao meu redor.

Rezando por? Estamos rezando que aproveitemos esse momento a seguir e que sempre mantenhamos o principal como o principal.


Fonte: Compassion UK
Tradução & Adaptação: Equipe Naomi Scott Brasil